Minhas impressões (MI-33/13): O duque e Eu - Julia Quinn @editoraarqueiro Os Bridgertons #01

Eu adoro Romances de Época e fiquei muito feliz com a novidade da Editora Arqueiro lançar livros de três das melhores autoras do estilo aqui no Brasil... porque estávamos carentes do gênero e o carinho que a Arqueiro tem com seus livros me deixou ainda mais feliz. A surtada aqui... pediu para a Editora os três livros, que vieram lindos e fofos em uma embalagem mais que perfeita, com marcadores e bottons.


Mas como eu já tinha o livro de Julia Quinn, em inglês, que ganhei na promoção de Bella Andre, e eu não tinha tido oportunidade de ler... foi o primeiro dos três que escolhi. Eu AMEI, adorei, e já li e reli, para tentar fazer uma boa resenha, mas não sei se conseguirei.


Sinopse



Minhas impressões

Adoro livros com famílias, adoro livros com casais que são amigos antes de qualquer coisa, e esta série 'Os Bridgertons' é tudo isso e mais...

Na série Os Bridgertons temos uma colunista, que escreve em um Jornal que toda a Sociedade Londrina acompanha. Estamos falando de Lady Whistledown, que inicia cada capítulo do livro, e provavelmente da série com suas 'fofocas' sobre a Sociedade. Vamos ver, abaixo o que Lady Whistledown fala sobre Os Bridgertons:

"Os Bridgertons são, de longe, a família mais fértil da alta sociedade. Essa qualidade da viscondessa e do falecido visconde é admirável, embora se possa dizer que suas escolhas de nomes para os filhos sejam bastante infelizes. Anthony, Benedict, Colin, Daphne, Eloise, Francesca, Gregory e Hyacinth. É claro que a organização é sempre algo benéfico, mas seria de esperar que pais inteligentes fossem capazes de manter os filhos na linha sem precisar escolher seus nomes em ordem alfabética.
Além disso, a visão da viscondessa e de todos os seus oito filhos num único ambiente é o bastante para que se ache que está se vendo dobrado, ou triplicado, ou pior. Esta autora nunca tinha presenciado um grupo de irmãos tão absurdamente parecidos. Embora a autora não tenha memorizado as cores de seus olhos, todos os oito têm estruturas ósseas semelhantes e os mesmos cabelos grossos castanhos. É lamentável que a viscondessa, que está atrás de bons casamentos para a prole, não tenha tido filhos mais elegantes. Ainda assim, há vantagens numa família de aparência consistente: não há dúvida de que todos são legítimos.
Ah, gentil leitor... Sua dedicada autora gostaria que fosse assim entre todas as grandes famílias...
CRÔNICAS DA SOCIEDADE DE LADY WHISTLEDOWN26 DE ABRIL DE 1813" pag 15/16

Este primeiro livro conta a história de Daphne Bridgerton, que tem no início da série 20/21 anos, foi apresentada à Sociedade Londrina há dois anos e ainda não encontrou um marido...

"- É claro. E agora ela está ameaçando me dar uma nova a cada semana. Ela me atormenta com a questão do casamento muito mais do que você poderia imaginar. Afinal, solteiros são um desafio. Solteironas são apenas patéticas. E, caso você não tenha percebido, sou uma mulher.
Anthony riu baixinho.
- Eu sou seu irmão. Não percebo este tipo de coisa. - Lançou a ela um olhar maroto, meio de lado. - Você a trouxe?
- Minha lista? Meu Deus, claro que não. O que você está pensando?
Ele abriu um sorriso.
- Eu trouxe a minha." pag 28


O relacionamento de Daphne com os irmãos mais velhos é muito bonito, a idade dela e de Colin é bem próxima, e por isso eles são mais próximos, mas mesmo Anthony e Benedict são amigos e procuram entendê-la e a ajudá-la.

O Duque em questão é Simon Arthur Henry Fitzranulph Basset, o melhor amigo de Anthony, eles estudaram juntos em Eton e em Oxford... mas Simon está fora de Londres, e da Inglaterra há 6 anos, desde que terminaram a faculdade, e retorna agora após a morte do seu pai, o antigo Duque de Hastings, que só queria ter um filho, perfeito para ser herdeiro... e que rejeitou o pequeno filho por causa de um pequeno problema de fala. E Simon perdeu a mãe no mesmo dia que nasceu, contou apenas com a ajuda dos criados e depois dos amigos.

"A ama Hopkins deu um abraço apertado no menino.
- Você não é um idiota - afirmou categoricamente, num sussurro. - É o menininho mais inteligente que eu conheço. E, se existe alguém capaz de aprender a falar direito, sei que esse alguém é você.
Simon se entregou ao abraço carinhoso e chorou de soluçar.
- Vamos mostrar a ele - jurou a ama. - Ele vai engolir o que disse, nem que seja a última coisa que eu faça." pag 11

Quando Daphne e Simon se encontram, a atração é imediata e uma amizade muito bonita se inicia... sempre que estão juntos eles são autênticos e têm muito bom humor...

"Daphne deu um tapinha tranquilizador no braço dele.
- Mas sua tentativa foi bastante admirável. Sinceramente, sinto-me lisonjeada que tenha me considerado merecedora de uma demonstração tão magnífica de libertinagem duquífera. - Ela sorriu, um gesto amplo e sincero. - Ou prefere duquice libertina?
Simon coçou o queixo, pensativo, tentando recuperar a pose de predador perigoso." pag 49

Simon e Daphne se aliam para tentar resolver seus problemas com a Sociedade... o dela de arrumar um pretendente e o dele de ficar livre de todas as moças casaidoras e suas respectivas mães, porque Simon tem duas certezas na vida, nunca se casar e nem nunca ter filhos.

"E foi então que uma ideia lhe veio à mente. Uma ideia estranha, louca e espantosamente maravilhosa. Talvez perigosa também, já que o obrigaria a estar na companhia dela por longos períodos de tempo, o que com certeza o deixaria numa condição permanentemente de desejo não realizado, mas Simon valorizava seu autocontrole acima de tudo, e tinha certeza de que poderia conter seus anseios básicos." pag 75

Simon consegue se relacionar bem, ou quase bem, com a família Bridgerton... as mulheres, mesmo a pequena Hyacinth, se apaixonam por todo o seu charme.

"- Se decidir se casar com minha irmã - disse ela, fazendo Daphne se engasgar com um biscoito -, terá minha aprovação.
Simon não estava comendo nada, mas também se engasgou.
- Mas, se não se casar com ela - continuou Hyacinth, sorrindo timidamente -, eu ficaria agradecida se esperasse por mim." pag 117

E lógico que o plano deles não sai como eles achavam, pelo menos quanto ao não se apaixonarem... e mesmo com muitas dificuldades, relacionadas à 'cabeça-dura' de Simon e aos cuidados de Anthony e seus irmãos... Daphne acaba convencendo Simon a se casar...

"Como você sabia que eu gosto de esmeraldas? - perguntou Daphne.
- Eu não sabia - admitiu ele. - Elas me lembram seus olhos.
- Meus... - Daphne inclinou a cabeça levemente para o lado e retorceu os lábios em um sorriso irritado. - Simon, meus olhos são castanhos.
- A maior parte deles é castanha - corrigiu ele." pag 174

A cena da viscondessa, Violet, conversando com Daphne sobre a noite de núpcias é muito engraçada, o livro tem diversas partes deste tipo.

"Violet soltou uma risada nervosa.
- Eu me esqueci de mencionar a parte sobre o bebê?
- Mamãe!
- Muito bem. Os seus deveres conjugais... quer dizer, a consumação... é como se fazem os bebês.
Daphne se apoiou na parede.
- Então a senhora fez isso oito vezes?
- Não!
Daphne ficou confusa. As explicações da mãe estavam sendo vagas demais, e ela ainda não sabia exatamente o que eram os tais deveres conjugais, mas alguma coisa não estava batendo." pag 179

A próxima citação é muito fofa... e mostra o quanto o casal Simon e Daphne são perfeitos juntos e eu só desejo saber mais sobre esta família e este primeiro casal.


Vou parar de colocar citações, porque a vontade é citar o livro inteiro... querem saber mais? Corram para ler...

Vejam a árvore genealógica da família Bridgerton... com os prováveis nomes dos oito livros que virão.



Julia Quinn - Os Bridgertons em inglês.


5 comentários :

Postar um comentário

Adoramos saber o que você está achando dos posts e do blog...

Se você conhece o livro, por favor... ao comentar não diga o que acontece... isso é spoiler!

Deixe seu nome e/ou twitter.