Minhas impressões: Marina - Carlos Ruiz Záfon @Suma_BR


Eu, desde o lançamento de 'Marina' já estava com muita vontade de ler o livro... já tinha lido, um livro de Záfon... e me encantei por A Sombra do Vento, por isso queria ler Marina... e quando a Suma me mandou... saiu furando fila...



Záfon é um autor com vários livros... e que conquista leitores mundo a fora... abaixo coloco uma citação do próprio autor... sobre seus livros... e livros em geral...
"Felizmente, desde a publicação original, estes meus primeiros trabalhos têm sido bem-recebidos por aqueles que são jovens e por aqueles que já nõa são tão jovens. Procuro acreditar que o ato de contar histórias transcende restrições de idade e espero que os leitores de meus romances adultos se sintam tentados a explorar estas narrativas de magia, mistério e aventura." (Nota do autor, no início do livro Marina)



Sinopse




Leia um trecho


Minhas impressões

Ao ler Marina, comecei a me recordar de 'A sombra do vento'... não apenas por se passar em Barcelona... mas por ter características que devem ser próprias de Záfon, não digo com certeza que é, pois só li os dois livros... mas senti... o lado sombrio... as aventuras noturnas... o mistério a ser desvendado... a presença de um casarão abandonado... tantas coisas foram me fazendo recordar do livro anterior... apesar das histórias serem diferentes... há semelhanças...

Marina, é a história de dois adolescentes, Óscar e Marina, que se encontram e se envolvem em uma aventura assustadora... que vai em um crescente de pistas e descobertas aterrorizantes... mas os dois não conseguem se afastar desta intrigante aventura... até que descubram toda a história por trás dos personagens... eles se tornam amigos, os melhores amigos que cada um teve...

A amizade de Óscar e Marina é linda... e Óscar, que vive em um internato, meio que abandonado pela família, acaba se apegando a Marina e seu pai, Germán, e com eles vivencia a unidade e amor familiar… encantadora as partes em que Óscar está com eles… mas as aventuras que Óscar e Marina vivem, são aventuras assustadoras, sombrias e com um ritmo interessante de suspense…

Um livro pequeno mas intenso... uma história de amizade, encantadora e daquelas que se recorda para sempre... tanto quem  viveu... quanto quem leu...

Espero em breve pelo próximo livro de Záfon que chegará pela Suma, ainda no primeiro semestre…


Citações

"Mas é melhor começar do início, que nesse caso é o final." pag 07


"Todos temos um segredo trancado a sete chaves no sótão da alma. Este é o meu." pag 08


"- Em seu lugar, eu teria sofrido uma parada cardíaca - esclareceu JF, que era antes um homem de palavras do que um homem de ação. - Supondo que fosse louco o suficiente para invadir um casarão atrás de um gato diabólico. Quem pode saber os tipos de germes que se pode pegar de um bicho desses..." pag 15


"Na contraluz do amanhecer, eu podia adivinhar a silhueta de seu corpo através do algodão. Uma longa cabeleira cor de feno ondeava escondendo o rosto. Fiquei ali, imóvel, contemplando-a enquanto se aproximava, como um imbecil com ataque de paralisia." pag 17


"Havia algo naquele homem que lembrava outra época, um tempo em que aquela cabeleira grisalha brilhava e aquele casarão era um palácio no meio do caminho entre Sarriá e o céu. Apertou minha mão e despediu-se, desaparecendo naquele labirinto insodável." 20


"Reconheci a silhueta de Marina sentada na beirada, com um vestido cor de marfim que deixava os ombros descobertos. Segurava um livro com encadernação de couro, no qual escrevia com uma esferográfica. Seu rosto delatava uma grande concentração, ela não percebeu minha presença." pag 23


"- Ninguém entende nada da vida enquanto não entender a morte - acrescentou Marina." pag25


"O relato de Benjamín Sentís me perseguiu por toda a semana como uma sombra oculta. Quanto mais aumentava a impressão de que havia algumas peças faltando naquela história." pag 63


"Pois bem, Mijail, a magia não existe. Nosso corpo começa a se destruir desde que nasce. Somos frágeis. Criaturas passageiras. Tudo o que resta de nós são as nossas ações, o bem e o mal que fazemos a nossos semlhantes. Entende o que quero dizer, Mijail?" pag 154

" A lembrança de Marina e da história horripilante que vivemos juntos me impedia de pensar, comer ou sustentar uma conversa coerente. Ela era a única pessoa com quem eu podia dividir minha angústia, e a necessidade de sua presença chegava a me causar dor física. Queimava por dentro, e nada nem ninguém conseguia me aliviar. Transformei-me numa figura triste vagando pelos corredores." pag 173


"Naquele mês de março choveu quase todos os dias. Marina estava escrevendo a história de Kolvenik e Eva Irinova no livro que eu lhe dera de presente..." pag 180


"(...) Óscar não sabe que todos os contos são mentiras, embora nem todas as mentiras sejam contos. Os príncipes não são encantados e as adormecidas, embora belas, nunca despertam de seu sono." pag 183


"Suas palavras demoravam a fazer sentido. Só temos ouvidos para o que queremos ouvir, e eu não queria ouvir aquilo. Shelley sustentou meu olhar sem pestanejar. Suspeitei que reconhecera meu desespero e estava assustado com as recordações que lhe trazia." pag 186




1 comentários :

Postar um comentário

Adoramos saber o que você está achando dos posts e do blog...

Se você conhece o livro, por favor... ao comentar não diga o que acontece... isso é spoiler!

Deixe seu nome e/ou twitter.