Foi Você by Carolina Lisboa


 Olá pessoal, vocês se lembram da minha amiga Carolina Lisboa que já postou um texto aqui? Pois é, hoje venho com mais um texto lindo dela... enquanto não sai o livro, que ela está escrevendo, vou postar por aqui alguns dos textos, para ficarmos com vontade de mais de suas palavras, sentimentos, eu quero logo mais.

Foi Você
Naquele exato instante eu cresci. Minha infância acabou num segundo. No momento mais lindo, terno e carinhoso. Não foi ardente ou selvagem, mas me arrebatou pra sempre. Toda mulher merece passar por isso. Passar essa etapa do jeitinho que foi pra mim.
Até então eram só flertes, sorrisos travessos e gestos controlados. Nada mais do que isso. Às vezes um toque furtivo ou uma atitude delicada. E tudo era tão intenso sem na realidade o ser. A primeira vez faz isso com a gente. Querer demais sem um gostinho de quero mais, porque não dava. Dava medo. O proibido é muito poderoso. Quem ainda não se pegou tentando burlar as regras ou quebrá-las definitivamente. É clichê, lugar comum: não pode...! Então pode. Naquele instante pôde pra mim e também pra ele. E foi tão bom!
Passávamos o dia entre brincadeiras e joguinhos de sedução tão ingênuos. Queimado, bicicleta, correria e de vez em quando a calma e o furação dentro do peito. Estômagos embolados e mãos tremulas. Gagueira e respirações tão fundas, puxadas do âmago. Fala desordenada. Falar o quê? Tantas inseguranças e de repente tanta certeza. Será que é assim com todo mundo? Por que tem que ser tão difícil antes, se na hora é tão fácil.
É engraçado como a gente muda, rápido demais, bom demais. Antes estávamos debochando dos mais velhos e fazendo cara de nojo e agora...olha pra gente! Fazendo a mesma coisa e pior, gostando de verdade. Delicioso! Nem tanto o toque e talvez seja mesmo o toque, mais a expectativa, a descoberta, a incredulidade de estarmos realmente fazendo isso. O coração acelera, pula, desgovernado. O suor escorre, a respiração falha. Doença? Vicio? Natureza! Instinto! Talvez um dia ele também se lembre... e seja bom assim como foi pra mim. Talvez um dia eu possa dizer que comecei a crescer naquele minuto, que minha vida nunca mais foi a mesma, e que a partir daquilo, tudo mudou, pra melhor. Mas uma pontinha de tristeza me bate de vez em quando. Como seria passar por isso e ainda estar com a mesma pessoa? Passar por isso juntos e poder recordar e rir de tudo. Se alegrar por ainda estar vivendo... um sonho. Foi bom sim, mas não me arrependo, ou talvez sim, não sei. Por onde andará? Não posso adivinhar como seria o futuro com ele, mas pelo que tivemos, posso dizer que teria sido muito bom.
Uma coisa eu posso garantir, eu cresci e um mundo se abriu na minha frente. Eu curti, me esbaldei, aproveitei. E agora depois de lembrar disso, ainda posso tirar bons momentos de quase tudo. Ainda estou aqui. Ainda sorrio todos os dias. Ainda vivo o amor, a paixão. Tive um bom professor, carinhoso, apaixonado.
Pensar que foi há tanto tempo não faz mudar a lembrança daquelas sensações exasperadas, conturbadas e tão excitantes. Era como sonhar, andar de balanço, bem alto, ou viver uma aventura, pular de paraquedas, mergulhar talvez. Mas foi tenso, comedido, gostoso, suave e pra ser sincera, ficou latente por muito tempo, tempo demais. Estava na hora. A maciez, o calor, o toque daqueles lábios nos meus. Foi assim, ter a primeira amostra da afeição de um homem. Foi assim meu primeiro beijo. Foi você!



0 comentários :

Postar um comentário

Adoramos saber o que você está achando dos posts e do blog...

Se você conhece o livro, por favor... ao comentar não diga o que acontece... isso é spoiler!

Deixe seu nome e/ou twitter.