Minhas impressões (MI-39/14): A casa das orquídeas - @lucindariley @Novo_Conceito

Pronto, já deu para perceber o 'vício' ou o quanto gostei da autora, né????

Pois é, ao ler 'As Sete Irmãs' logo comprei este livro, que me cativou tanto quanto o primeiro (que li), e deu para perceber o estilo da autora, mesclando História (um romance passado) com o momento atual (romance atual, relacionado ao do passado).

Já vou dizer que esta resenha será bem pequena, mas não por não ter AMADO o livro, mas por extrema falta de tempo em discorrer todos os meus sentimentos, minhas impressões, adequadamente, até pensei em fazer um vídeo, mas não gosto de aparecer e minha voz é extremamente irritante... rs



Sinopse
Clique na imagem abaixo e compre na Amazon Brasil (com preço especial)



Minhas impressões

Neste livro, a História passada é relacionada à 2ª Guerra e a uma família (ou duas) que viviam em uma casa, ou State como se diz na Inglaterra, tradicional, passada para o primeiro filho homem do nobre que a possui, no casa o lugar é Wharton Park, que na realidade me pareceu ser uma casa ficticia, pois o que achei procurando imagens do lugar não condiz com a descrição da casa no livro.

A casa é um personagem central do livro, já que por causa dela tantas coisas aconteceram.

Temos no início do conto um conto sobre uma orquídea rara, a Orquídea Negra. Em Wharton Park havia, uma estufa de orquídeas, na época histórica, após a 2ª Guerra, e quando Julia Forrester, uma das heroínas do livro, era criança e ia à casa, ao chalé dos avós, o avô o jardineiro Bill, que cuidava das orquídeas com tanto carinho.

Julia é uma pianista consagrada que volta à Inglaterra para tentar sobreviver a uma tragédia que a abateu e está vivendo (ou sobrevivendo) por algum tempo sem se recuperar, até que a irmã, Alícia, a convida a ir a Wharton Park que está sendo vendida, para escolherem um presente para o pai. E ao chegar à casa ela se recorda de tantas coisas vividas lá na infância e se encontra com o atual Lorde Crawford, Cristopher Kit Crawford, o sobrinho do antigo Lorde Crawford que não teve herdeiros diretos. Kit e Julia se encontraram uma vez quando crianças e ela tocou no piano da casa.

"(...) em frente a uma das janelas, há um grande piano. Kit Crawford me leva até lá, puxa o banco e diz:
- Sente. Quero ouvii-la tocar - ele abre a tampa e uma chuva de partículas de poeira voa brilhando sob o Sol da tarde.
- Tem... Tem certeza de que posso? - eu pergunto." posição 3%
Este retorno à casa e o encontro com Kit e outros fatores começam a ajudar Julia a querer voltar a viver... e um diário encontrado por Kit na reforma do chalé dos avós dela, a faz procurar a avó, que começa a contar uma história sobre os antigos donos de Wharton Park, e seus amores e desencontros.

"- Já vou avisando que posso demorar um pouco para lembrar, mas acho que a história começa comigo, quando eu estava aprendendo a ser uma dama de companhia em 1939, na casa grande. Ah - Elsie bateu palmas -, você não reconheceria Wharton Park, Julia! O lugar era tão vivo, sempre agitado com a família Crawford e seus amigos. Eles davam festas na casa quase todas as semanas na temporada de caça. E, certo fim de semana, alguns amigos chegaram de Londres e eu fiquei encarregada de cuidar da filha deles de 18 anos, Olívia Drew-Norris." posição 15%

Uma história que aconteceu no período pré, durante e após a guerra e que trouxe tantas alegrias e tristezas para Harry e Olivia Crawford e também a vida de Bill e Elsie Stafford, funcionários e amigos fiéis dos donos da casa, e avós de Júlia e Alicia.

Júlia e Kit acabam se envolvendo e conhecendo a história de amor de Harry e da casa que os une... mas quando Julia volta à França para acabar de vencer a dor que a consumiu por 1 ano, acontecem coisas surpreendentes que afetam a vida dos dois.

"- Sim. Depois, minha querida Julia, você vai para casa.
- Onde é a 'casa'? - ela perguntou confusa.
- Wharton Park, é claro. O lugar ao qual você pertence." posição 47%

O livro tem trechos na Inglaterra e na Tailândia e também na França. Narrado na 1ª pessoa, nos tempos modernos, a história de Julia, e em 3ª pessoa, quando voltamos ao passado, e conhecemos a história de Harry Crawford.

"Ele percebeu que o ciclo se fechara; cada um deles com seu próprio lugar na história que se estendera por gerações, reunidos em Wharton Park, a casa que tivera um papel importantes na trama do destino que eles e outros estavam tecendo. Tudo o que restava naquele momento, Kit pensou, era um novo início para o ciclo. Ele olhou para Julia e soube que, juntos, eles construiriam um." posição 99%

A.M.E.I amei, amei!!!

0 comentários :

Postar um comentário

Adoramos saber o que você está achando dos posts e do blog...

Se você conhece o livro, por favor... ao comentar não diga o que acontece... isso é spoiler!

Deixe seu nome e/ou twitter.