Minhas impressões: Siresong Jenna Black (@jennablack) @univdoslivros

Siresong é o terceiro e último livro da série Faeriewalker, que se iniciou com Glimmeglass, uma das capas mais lindas que já vi... e os outros dois livros, também tem capas lindíssimas.

Vejam as capas e leiam as resenhas dos livros anteriores, se ainda não leram os próprios livros:

Glimmerglass - O encontro de dois mundos
Shadowspell - O Misterioso Reino de Avalon

E agora com vocês Siresong - O perigoso chamado da rainha





Compre aqui

capa original




Minhas impressões

Dana é uma Faeriewalker
"alguém com sangue feérico suficiente para entrar em Faerie e sangue humano o bastante para vive no mundo mortal. Mas aí é que está o 'X' da questão: os faeriewalkers não só podem trafegar livremente entre os dois mundos, como também podem levar magia ao mundo mortal e tecnologia humana para Faerie." pag 10


Que fugiu da mãe humana e alcoólatra para procurar o pai, um feérico que vive em Avalon, é um país independente... dentro da Inglaterra/Londres... como o Vaticano em Roma/Itália... onde vivem naturalmente humanos e feéricos... e se descobriu Faeriewalker em Glimmerglass, se apaixonou por Ethan e depois em Shadowspell viveu um pesadelo ao perder e tentar recuperá-lo do 'Erlking', um ser único, do mal, que tem um trato com as Rainhas de Faerie e que também nutre um interesse em Dana…


Em Siresong, Dana é convidada a comparecer a Faerie, a Terra dos Feericos, se apresentar à Rainha Titânia, a Rainha Seelie, o que é um convite estranho, mas que não pode ser recusado… 

"-Você não correrá perigo - papai replicou, ignorando meu comentário por completo. - Se aparecer na corte atendendo a uma intimação da rainha, você será protegida pelas leis de cortesia. Não importaria mesmo se você fosse a pior inimiga dela; ela garantiria sua segurança até que retornasse a Avalon." pag 24

Dana parte para Faerie com seu pai, Finn, Keane e os amigos Ethan e Kimber, na caravana do Principe Henry, filho de Titânia, e apesar de todos acharem que estavam ou estariam mais ou menos seguros, as coisas acontecem, como sempre, onde Dana está tudo pode acontecer…

"Acho que no fim eu teria de aprender a cavalgar. Não pode ser difícil, né?, eu me perguntei para em seguida desejar não ter lançado má sorte sobre mim mesma. Papai me guiou até o flanco de Phaedra." pag 80

O livro é repleto de aventuras tais como Dana tendo que entrar em Faerie, cavalgar, coisa que nunca fez, lidando com um cavalo mágico, que parece entender tudo e que não simpatiza com Dana... tem que lidar com seus inimigos, que ela nem sabe quem são direito quem são, encontra-se em problemas durante a viagem, se encontra com o 'Erlking' novamente e continua sem entender se ele é um inimigo ou um aliado. Vive uma aventura intensa com seu namorado, Ethan e os amigos Kimber e Keane. Encontra-se com a Rainha Titânia e descobre seu poder, sua maturidade...

"Logo vi que ela não gostou nada, nada do meu sarcasmo, mas não tive vontade de me desculpar. Talvez aquela não fosse a maneira mais adequada de se dirigir à rainha da Corte Seelie, mas eu já tinha passado por coisas demais para me importar com etiqueta." pag 276

A relação de Dana e seu pai é mesclada de ternura, compreensão e conflitos, e é uma relação muito bonita.

"Às vezes eu pensava que meu pai me via apenas como um instrumento para ajudar em suas ambições políticas. E também havia momentos como aquele, quando ele me deixava ver o que havia debaixo do verniz exterior, e percebia que ele me amava de verdade. E que eu também o amava." pag 137

Mas Dana continua lidando com o alcoolismo da mãe... e em Siresong apesar de a mãe aparecer pouco por causa da viagem a Faerie... o alcoolismo dela e o tanto que isso afeta Dana é mostrado de uma forma a ajudar os alcoólatras e seus amigos.

"Não se pode salvar todos, sua voz às vezes sussurra na minha cabeça. Talvez ele esteja certo. Talvez todos estejam certos.(...)Há um ditado que diz que onde há vontade há um caminho. Bem, eu tenho muita vontade. E se no fim eu descobrir que não há mesmo um caminho, sei que sobreviverei. Não estou mais sozinha. Tenho meu pai, e Ethan, e meus amigos. Antes de eu vir para Avalon, eu não podia conceber a ideia de me apoiar em alguém, de pedir ajuda." pag 341


Gostei muito da série, do livro, mas como boa romântica que sou, fiquei com gosto de quero mais, mais de Dana e Ethan, faltou um final adequado para o amor dos dois... e até para Dana e seu pai... as relações são tão lindas, afetivas e no final Jenna deu mais importância ao alcoolismo do que às relações.